terça-feira, 1 de agosto de 2017

O cientista político Daniel Menezes prevê dificuldades de Agripino Maia e Garibaldi Alves renovaram mandatos

Resultado de imagem para fotos de agripino maia , garibaldi alves e henrique alves
O cientista político Daniel Menezes prevê que, mesmo com a atual crise política, que desgastou a credibilidade de agentes detentores de mandatos, os deputados federais potiguares não devem ter grandes dificuldades para continuarem no poder após as eleições de 2018. Segundo ele, é até provável que haja “novos nomes”, contudo, a composição partidária e de grupos políticos pode permanecer a mesma.
Como o senhor avalia a situação dos senadores Garibaldi Alves e José Agripino para uma tentativa de reeleição?
DM: Eu acho que eles enfrentarão maiores dificuldades. Há um cenário que pode ajudá-los, eu vejo: uma situação em que haja muitos candidatos, porque os votos serão divididos e, consequentemente, por já terem uma base eleitoral consolidada, conseguirão manter seus mandatos. Neste caso, eles se tornam mais fortes. Agora, se houver poucos candidatos competitivos, é possível que surjam nomes de oposição a eles, e aí correrão perigo, acredito. Isto, porque, ambos têm aprovado reformas impopulares. Objetivamente, não se vê rendimento forte dos mandados deles para o Rio Grande do Norte. Se formos olhar para trás, não há grandes realizações ou agenda intensa por parte de Garibaldi. E olhe que estamos falando de um ex-presidente do Senado e um ex-ministro da Previdência. Agripino é presidente de um partido (DEM) que é um dos principais aliados do governo, no entanto, quando falamos do Rio Grande do Norte, o nome desses senadores não aparecem. Pode ser que eles sejam atingidos por um descontentamento que não foi provocado só pela corrupção, mas também pelas reformas que são impopulares, e sobretudo pela crise econômica que vivenciamos, na qual temos muitos desempregados. Eles colaram fortemente o nome deles nesse cenário. Como me disse um amigo, o nome de Michel Temer está na testa desses senadores. Não vai ser fácil para eles. Prevejo mudanças em pelo menos uma das cadeiras.
Via Agora RN

Nenhum comentário:

Postar um comentário